Mais do que ser mãe: algumas dicas para as mamães

0

Engravidar é o sonho de muitas mulheres que desde crianças brincam com bonecas e sonham com um bebê em seus braços. Este momento é único na vida da mulher e com alguns cuidados ela pode passar pelos 9 meses de forma agradável, sem descuidar do corpo nem da mente. É comum algumas mulheres passarem a se dedicar exclusivamente à função “mãe”, mesmo antes do bebê nascer, mas não podemos nos esquecer que ainda somos “mulheres”.

Apesar de saber da importância de se cuidar quando grávida, muitas mulheres acabam deixando algumas dicas para trás, por esquecimento ou mesmo por não acharem que elas são tão importantes assim. Uma das preocupações que surgem, no entanto, é relacionada ao peso e corpo após a gravidez, uma vez que nem sempre conseguimos engordar pouco durante a gestação, seguindo a recomendação de especialistas.

Dicas para mamães

Inúmeros grupos e especialistas levantam a bandeira do aleitamento materno, enaltecendo as vantagens do mesmo para o bebê, que além de receber alimentação adequada e anticorpos ainda cria maior vínculo com a mãe. O aleitamento também ajuda a mulher a desinchar e perder os quilinhos extras ganhos com a gravidez.

Alguns tipos de exercícios físicos também são recomendados, especialmente os programados especialmente para as mamães. A Yoga é muito praticada por mulheres após o puerpério e podem ser praticados junto com o bebê. Natação, musculação leve e atividades aeróbicas também são recomendadas.

Direitos trabalhistas da gestante

Visando o bem estar da mãe e do bebê, a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) elencou alguns direitos trabalhistas exclusivos para gestantes. A licença-maternidade é um dos direitos e permite à mulher ausentar-se do trabalho por 120 dias recebendo seu salário pago pela Previdência Social. Outros direitos da gestante são:

  • Mudança de função ou departamento quando o mesmo apresentar riscos à saúde da mãe ou do bebê.
  • Ausentar-se do trabalho para consultas e exames mediante apresentação de atestado médico.
  • Dois intervalos de 30 minutos para amamentação.
  • Estabilidade no emprego de 5 meses após o parto.

As mulheres que adotam também têm direito à licença e ao salário maternidade, mas ficam privadas dos demais direitos trabalhistas das gestantes. Algumas empresas podem oferecer benefícios extras para as empregadas que se encontram grávidas, mas nunca devem oferecer menos do que o previsto em lei.

Caso você se sinta desrespeitada de alguma forma, busque auxílio em um escritório de advocacia e garanta seus direitos.

Compartilhe:
Dê sua nota:
RuimMais ou MenosRegularLegalAdorei! (votos: 1, média: 5,00 de 5)
Loading...

Deixe um comentário